Diversidade e inclusão:  saiba a importância e como promover em sua empresa

diversidade e inclusão

Diversidade e inclusão. Você com certeza já deve ter ouvido essas duas palavras, muito comuns na atualidade e que são presença marcada no cotidiano de muitas empresas e RH’s pelo Brasil. 

Segundo a Declaração Universal dos Direitos Humanos, todas as pessoas têm o direito à igualdade de oportunidades e liberdade de opinião, expressão e religião, independente de qualquer característica. Levar isso em conta é entender o conceito de diversidade, que representa as diferenças existentes entre pessoas.

inclusão, é reconhecer essas diferenças e promover ações de respeito às características únicas de cada indivíduo. Diversidade e inclusão representam conceitos diferentes, mas, complementares.

Para estabelecer uma cultura organizacional inclusiva, é preciso um ambiente diverso em etnias, idades, gêneros, religiões, orientações sexuais e condições físicas e mentais, e que ofereça integração e acessibilidade. A empresa onde você trabalha entende a importância dessas iniciativas? Sabe como adotá-las no ambiente corporativo? O blog de hoje responde essas e outras perguntas. Boa leitura!

3 motivos para promover Diversidade e Inclusão em sua empresa

A preocupação com a diversidade e inclusão é crescente no meio corporativo: segundo pesquisa da Organização Internacional do Trabalho (OIT), 87% das empresas gostariam de ser reconhecidas por valorizarem o tema.

E isso ocorre por motivos que vão desde a visão da sociedade sobre a importância de ambientes diversos e inclusivos, até resultados financeiros. Vamos entender melhor 3 dessas razões?

1. Times diversos são mais criativos e inovadores

Ao criar um espaço que valoriza as diferenças e dá oportunidades para todos se expressarem, o trabalho se torna mais autêntico. Como cada indivíduo tem experiências e percepções diferentes, ao se unirem, o time tem maior capacidade de desenhar ideias inovadoras.

Como consequência, a empresa atrai ainda mais diversidade e fortalece sua imagem como um bom ambiente para se trabalhar.

2. Redução de conflitos e crises

Ao promover a diversidade e inclusão, há menos conflitos e crises nas empresas, já que o respeito às diferenças promove relações mais saudáveis. Mesmo que haja opiniões divergentes, os membros da equipe conseguem conversar e chegar à melhor solução, ouvindo as opiniões de todos.

Isso ajuda até mesmo na construção da imagem da empresa com a comunidade, uma vez que diminuem as chances de crises decorrentes de ações envolvendo tópicos machistas, capacitistas ou raciais.

3. Melhores resultados e produtividade

Segundo uma pesquisa da McKinsey & Company, empresas com mais diversidade étnica têm 35% mais chances de obter rendimentos acima da média e são 15% mais propensas a altas performances. Isso acontece porque as pessoas se sentem mais motivadas em fazer um bom trabalho, por se sentirem acolhidas e importantes.

>> Sabia que, além da diversidade e inclusão, o uso de IA’s no recrutamento e seleção de candidatos é tendência para 2024? Saiba mais sobre essa ferramenta!

Quais ações sua empresa pode adotar para se tornar mais diversa e inclusiva?

O primeiro passo para promover a diversidade e inclusão na sua empresa é entender o cenário da cultura organizacional. A partir dessa base, é possível traçar os principais pontos a melhorar para tornar o ambiente de trabalho mais plural.

Veja algumas das principais ações adotadas.

  • Crie um comitê de diversidade

Quando queremos uma cultura de representatividade, não há nada melhor que ouvir as pessoas e seus diferentes pontos de vista. Para traçar um bom plano de ação, conte com um comitê de representantes de diversidades, para que as decisões sejam tomadas de forma justa e igualitária.

  • Defina planos de ação de ponta a ponta

Após a criação do comitê, determine os planos táticos com as ações inclusivas, desde os processos seletivos até a formação das lideranças. Dentro desse planejamento, inclua metas que digam onde sua empresa quer chegar e como prepará-la para alcançar esse objetivo. Por exemplo:

  1. Planos de acessibilidade, com mudanças no espaço físico da empresa, como rampas e pisos táteis;
  2. Avaliação de como está a gestão do RH nos processos inclusivos, acompanhando os índices de diversidade de quem entra na empresa;
  3. Capacitação das lideranças e das equipes de gestão, para acolher a diversidade e combater os preconceitos;
  4. Comunicação interna de conscientização sobre o tema, para que todos estejam alinhados ao propósito e se sintam parte da solução;
  5. Criação de fóruns para ouvir os colaboradores, de forma anônima ou não, tornando a relação transparente e inclusiva.

Monitore métricas

Com o comitê criado e um plano em andamento, é hora de definir métricas e acompanhá-las, para entender como as mudanças em diversidade e inclusão estão afetando o cenário organizacional. Por meio dos números, é possível avaliar:

  1. satisfação dos candidatos e colaboradores sobre o tema;
  2. igualdade de oportunidades;
  3. evolução dos programas de inclusão;
  4. representatividade em posições de liderança.

Essas métricas ajudam a traçar novas rotas, se necessário, e atuar de forma mais assertiva nos pontos de destaque.

Quais os desafios da implementação e gestão de Diversidade e Inclusão?

Implementar um ambiente mais diverso e inclusivo é bem desafiador. Você vai enfrentar um longo caminho até atingir o momento ideal, mas vale a pena insistir, principalmente quando se analisa os cases de sucesso nessa área.

A Ambev, por exemplo, desenvolveu um programa de diversidade voltado para funcionários negros, em busca de conectar ações para criar um senso de verdadeiro pertencimento das pessoas aos objetivos da empresa. No projeto, os participantes foram desafiados a desenharem propostas inovadoras com foco no negócio. Isso só aconteceu porque a empresa enxergou seus pontos de melhoria e investiu em uma estratégia para promover uma cultura de diversidade e inclusão.

Para isso, um dos desafios é romper barreiras contra o preconceito, seja em relação à etnia, religião, deficiência, gênero ou orientação sexual. Isso pode ser feito por meio de campanhas de conscientização, cursos e dando voz às pessoas.

Outro fator desafiador é entender que o desenvolvimento de cada profissional é diferente e construir planos que levem a diversidade em consideração. De nada adianta um plano de carreiras que não seja inclusivo e abrace a pluralidade entre os colaboradores.

Ter pessoas que são exemplos de boas ações pode ser um caminho para superar esses desafios, por isso, foque no papel das lideranças para acolher a mudança.

Fique sempre de olho nas tendências de mercado sobre o tema e leve as discussões para avaliar suas tomadas de decisão.

Últimos conteúdos

Veja também

Picture of VALERIA CARDOSO
VALERIA CARDOSO
14 de junho de 2024